quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Queridos recebi por email esse texto do Arnaldo Jabor e não tive como não publicá-lo aqui no blog,afinal de contas,somos brasileiros e temos que nos manter atualizados sobre o nosso país...Mesmo que seja vendo sem acreditar essa sujeira toda e pasmaceira que anda por aí!
Jabor,concordo em gênero número e grau com todo o texto!!!


Jabor - Gostem ou não, o texto é imperdível!

- Brasileiro é um povo solidário. 
Mentira. Brasileiro é babaca. 
Eleger para o cargo mais importante
 do Estado um sujeito que não tem
 escolaridade e preparo nem para ser
 gari, só porque tem uma história de 
vida sofrida; 
Pagar 40% de sua renda em tributos
 e ainda dar esmola para pobre na rua
 ao invés de cobrar do governo uma
 solução para pobreza; 
Aceitar que ONG's de direitos humanos
 fiquem dando pitaco na forma como
 tratamos nossa criminalidade. 
Não protestar cada vez que o governo 
compra colchões para presidiários que 
queimaram os deles de propósito, 
não é coisa de gente solidária. 
É coisa de gente otária. 

-
 Brasileiro é um povo alegre. Mentira.
 Brasileiro é bobalhão. 

Fazer piadinha com as imundices que
 acompanhamos todo dia é o mesmo
 que tomar bofetada na cara e dar risada. 
Depois de um massacre que durou quatro
 dias em São Paulo, ouvir o José Simão fazer
 piadinha a respeito e achar graça,
 é o mesmo que contar piada no enterro do pai. 
Brasileiro tem um sério problema. 
Quando surge um escândalo, ao invés de 
protestar e tomar providências como
 cidadão, ri feito bobo. 

- Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira. 

Brasileiro é vagabundo por excelência. 
O brasileiro tenta se enganar, fingindo
 que os políticos que ocupam cargos
 públicos no país, surgiram de Marte e
 pousaram em seus cargos, quando na 
verdade, são oriundos do povo. 
O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica
 indignado ao ver um deputado receber 20 
mil por mês, para trabalhar 3 dias e coçar o 
saco o resto da semana, também sente inveja
 e sabe lá no fundo que se estivesse no lugar
 dele faria o mesmo. 
Um povo que se conforma em receber uma 
esmola do governo de 90 reais mensais para 
não fazer nada e não aproveita isso para
 alavancar sua vida (realidade da brutal maioria
 dos beneficiários da bolsa família) não pode ser
 adjetivado de outra coisa que não de vagabundo. 
- Brasileiro é um povo honesto. Mentira. 

Já foi; hoje é uma qualidade em baixa. 
Se você oferecer 50 Euros a um 
policial europeu para ele não te autuar,
 provavelmente irá preso. 
Não por medo de ser pego,
 mas porque ele sabe ser errado aceitar propinas. 
O brasileiro, ao mesmo tempo em
 que fica indignado com o mensalão,
 pensa intimamente o que faria se arrumasse 
uma boquinha dessas, quando na realidade
 isso sequer deveria passar por sua cabeça. 


- 90% de quem vive na favela é gente
 honesta e trabalhadora. Mentira. 

Já foi. 
Historicamente, as favelas 
se iniciaram nos morros
 cariocas quando os negros 
e mulatos retornando da 
Guerra do Paraguai ali se instalaram. 
Naquela época quem morava lá era
 gente honesta, que não tinha alternativa
 e não concordava com o crime. 
Hoje a realidade é diferente. 
Muito pai de família sonha que o 
filho seja aceito como 'aviãozinho'
 do tráfico para ganhar uma grana legal. 
Se a maioria da favela fosse honesta,
 já teriam existido condições de se tocar 
os bandidos de lá para fora, porque podem
 matar 2 ou 3 mas não milhares de pessoas. 
Além disso, cooperariam com a polícia na 
identificação de criminosos, inibindo-os de 
montar suas bases de operação nas favelas. 

- O Brasil é um pais democrático.
 Mentira. 

Num país democrático a vontade da 
maioria é Lei. 
A maioria do povo acha que bandido
 bom é bandido morto, mas sucumbe
 a uma minoria barulhenta 
que se apressa em dizer que um
 bandido que foi morto numa
 troca de tiros, foi executado friamente. 
Num país onde todos têm direitos, 
mas ninguém tem obrigações, 
não existe democracia e sim, anarquia. 
Num país em que a maioria sucumbe 
bovinamente ante uma minoria barulhenta,
 não existe democracia,
 mas um simulacro hipócrita. 
Se tirarmos o pano do politicamente
 correto, veremos que vivemos
 numa sociedade feudal: 
um rei que detém o poder central
 (presidente e suas MPs), 
seguido de duques, condes, 
arquiduques e senhores feudais
 (ministros, senadores, deputados,
 prefeitos, vereadores). 
Todos sustentados pelo
 povo que paga tributos que 
têm como único fim, o pagamento
 dos privilégios do poder.
 E ainda somos obrigados a votar. 
  
Democracia isso? Pense! 

O famoso jeitinho brasileiro. 
Em minha opinião, um dos
 maiores responsáveis pelo caos
 que se tornou a política brasileira. 
Brasileiro se acha malandro, 
muito esperto. 
Faz um 'gato' puxando a TV a cabo
 do vizinho e acha que está botando
 pra quebrar. 
No outro dia o caixa da padaria erra 
no troco e devolve 6 reais a mais, 
caramba, silenciosamente ele
 sai de lá com a felicidade de ter
 ganhado na loto... malandrões,
 esquecem que pagam a maior 
taxa de juros do planeta e
 o retorno é zero. Zero saúde,
 zero emprego, zero educação, 
mas e daí? 
Afinal somos penta campeões
 do mundo né? 
Grande coisa... 

O Brasil é o país do futuro.
 Caramba, meu avô dizia isso em 1950. 
Muitas vezes cheguei a imaginar 
em como seria a indignação e 
revolta dos meus avôs se 
ainda estivessem vivos. 
Dessa vergonha eles se safaram... 
Brasil, o país do futuro!? 
Hoje o futuro chegou e 
tivemos uma das piores taxas de 
crescimento do mundo. 

Deus é brasileiro. 
Puxa, essa eu não vou nem comentar... 

O que me deixa mais triste e inconformado
 é ver todos os dias nos jornais a manchete
 da vitória do governo mais sujo
 já visto em toda a história brasileira. 
Para finalizar tiro minha conclusão: 


O brasileiro merece! Como diz o ditado popular,
 é igual mulher de malandro, gosta de apanhar.
 Se você não é como o exemplo de brasileiro 
citado nesse e-mail, meus sentimentos amigo,
] continue fazendo sua parte,
 e que um dia pessoas de bem
 assumam o controle do país novamente. 
Aí sim, teremos todas as chances de ser
 a maior potência do planeta. 
Afinal aqui não tem terremoto,
 tsunami nem furacão. 
Temos petróleo, álcool, bio-diesel, 
e sem dúvida nenhuma o mais importante:
 Água doce! 

Só falta boa vontade, será que é 
tão difícil assim? 
  
  
Arnaldo Jabor 


quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Para que serve a Auto-Iniciação.



Mais um texto que achei no site da ABRAWICCA\RJ e como ele se alia às minhas idéias sobre auto iniciação, quis postá-lo aqui no blog ,na íntegra, para que todos que se interessam pelo assunto possam ler.Com todos os direitos reservados à autora, que muito aprecio.




Para que serve a auto-iniciação?
Escrito por Mavesper Cy Ceridwen   


Entre os praticantes de Wicca sempre é efervescente, e suscita debates inflamadíssimos, às vezes verdadeiras guerras, a questão da auto-iniciação. Em um extremo, os partidários das tradições rígidas a repelem com veemência, de outro lado, partidários das liberdades abominam a idéia de algum ser humano crer-se capaz de iniciar outro, porque o sacerdócio dos Deuses Antigos não admite intermediários... Com quem está a verdade? No meio desses dois extremos se alinham mil outros tipos de posturas: os que aceitam auto-iniciados se confirmados em covens (no instituto chamado Reconhecimento); os que crêem que a auto-iniciação tem validade como um compromisso entre a pessoa e os Deuses, mas não tem validade para permitir a um dia essa pessoa se tornar um iniciador; os que aceitam irrestritamente os auto-iniciados; os que aceitam auto-iniciados em determinadas circunstâncias...E novamente se coloca a pergunta: com quem está a verdade?


Ouso responder que a verdade não está com nenhum deles, ao mesmo tempo que está com todos. Vivemos uma religião pluralista, em que aceitar a diversidade é obrigação de todos. Não defendo desvirtuamento da Wicca enquanto religião, mas não creio tampouco que a verdade única esteja com as Tradições mais rígidas... Há que se temperar um pouco dessas opiniões, acolhendo e valorizando todas que, mantendo as regras mínimas definidoras de nossa religião, se expressam de múltiplas formas. A verdade é que, não obstante as opiniões mais rígidas, a Wicca moderna se flexibilizou a ponto de se poder afirmar ao examinar a comunidade pagã mundial que a auto-iniciação é uma realidade irrefutável.


Não se diga, também que isso é produto apenas de Scott Cuningham, dos livros apelativos ou da chamada "wicca moderna americana". Muitas tradições que hoje aceitam e respeitam auto-iniciados como autênticos sacerdotes e sacerdotisas dos Antigos surgiram de iniciados Gardnerianos e Alexandrinos, ou seja, têm base que os próprios Gardnerianos (os mais rígidos) forçosamente reconhecem....E ai????


Examinando o que ocorre desde que a auto-iniciação começou a ser veiculada como uma forma possível de ingressar na bruxaria, vemos fatos distintos acontecendo. Vamos examiná-los.


1º Fato - A auto-iniciação gera grandes problemas, pois muitas pessoas, sem vivência real da bruxaria, sem conhecimento nenhum da Tradição oral e sem conseguirem um elo com os Deuses suficiente a dar base a uma orientação direta e razoavelmente correta, acabam crendo que para se auto-iniciar basta realizar 21 ritos - 8 sabbats, 13 esbats durante um ano e um dia, depois achar um local bonitinho na natureza e fazer um ritual e tudo está perfeito. São pessoas que vivem uma auto-ilusão, e saem por ai cometendo toda sorte de maluquices, o que contribui para uma má fama em relação à bruxaria, obviamente.


2º Fato - Há realmente uma massificação de afirmações de alguns autores que afirmam absurdos nos livros, do tipo: "ao terminar de ler este livro você saberá o equivalente a um iniciado de terceiro grau". Ou pérolas do tipo: "se vc seguir tal e tal procedimento, esteja em que parte do mundo estiver vc pertence ao meu coven Bla Bla Bla...". Ou pior ainda: " Se vc rezar o salmo tal, fizer o feitiço de amor e amar seus vizinhos vc é uma bruxa natural"! Argh... hehehehe


Sim, esses autores são muito comercialóides, concordo, e em nada ajudam os que precisam caminhar sozinhos.


3º Fato - Examinando o universo de bruxos que se apresentam na cena pública, nacional e internacional, qualquer um conhece iniciados tradicionais que não são bem exatamente o modelo de sacerdotisa ou sacerdote que seria o mínimo necessário, bem como auto-iniciados de quem emana uma aura de poder e magia, de quem o simples falar ou se mexer traz a marca dos Antigos agindo na Terra, o que é a marca distintiva dos verdadeiros sacerdotes e sacerdotisas. Ignorar esse simples fato é estar de olhos fechados para a realidade que nos cerca.


Considerando esses fatos, como podemos, com justiça e realidade, analisar o tema da auto-iniciação?


Em primeiro lugar, não podemos, se estamos querendo examinar a Wicca como um todo, enterrar a cabeça na areia como avestruzes e ignorar que hoje 80 % ou mais dos wiccanianos é auto-iniciado ou descende de Tradições criadas por auto-iniciados. Somente 20% é iniciado Tradicional. Se tanto, acho que o número mais correto estaria por volta de uns 10% (isso lembrando que para Gardnerianos nem Alexandrinos são iniciados Tradicionais) ...


Pois bem: como se define Wicca hoje no mundo? Pelo que fazem e vivem 90 % dos seus integrantes ou pelo que fazem somente 10 %?


Creio que a resposta é mais do que óbvia: a imensa maioria dos praticantes de wicca na atualidade é auto-iniciada, ou aceita auto-iniciados. Assim, não se define algo pela exceção, mas sim pela regra. Faço esta observação repetindo o que não canso de falar: tradições rígidas tem seu valioso papel e as pessoas que sentem um chamado específico para essas Tradições, devem realmente busca-las. Não cabe a ninguém nem condenar os membros de Tradições rígidas, nem se ofender com o que eles acreditam. Mas é fato que eles são a minoria. E eles também não devem se ofender com essa constatação.


E por que a auto-iniciação se impôs como realidade irretorquível?
Exatamente pelo que estamos já carecas de saber: não há covens suficientes para absorverem os milhares de interessados, que nos procuram desesperados, sempre no pique do " me ajudem a achar um coven", "quero um mestre" , preciso da Deusa".


Isso é um outro fato a ser enfrentado: essas milhares de pessoas ouviram o chamado da Deusa porque Ela assim o quis... Vamos acordar, por favor, vcs que tiveram o privilégio de entrarem em Tradições?


Será que o melhor que vcs podem fazer por essas pessoas é dizer-lhes que a auto-iniciação nada vale?


Desculpem a sinceridade, mas isso é um desserviço aos Antigos. Antes centenas, milhares de auto-iniciados tentando honestamente viverem um sacerdócio dos Deuses Antigos, por orientação direta da divindade, por troca de experiência com auto-iniciados ou com associações como a Abrawicca, do que essas mesmas milhares de pessoas mendigando iniciações ou se tornando vítimas de toda sorte de picaretas.


Uma pessoa comum encontra mil dificuldades para começar a praticar wicca. A primeira delas é entender o que é ser pagão. Vcs que têm mais que 8 anos de prática ainda se lembram como era quando vcs tiveram que sair atrás de livros, de adivinhar como eram os rituais? Vcs se lembram quando não havia internet, nem se tinha acesso a livros estrangeiros facilmente? Pois é... Essa era a realidade de um brasileiro há uns dez anos atrás: nada. Nem ninguém para ajudar. Hoje mudou? Sim, há mais acesso à informação, mas isso é bom ou ruim? Sabem, a Abrawicca tem um selo de recomendação para sites... E infelizmente é dificílimo liberar esse selo, pois os sites de wicca que há por ai vão do lastimável à picaretagem explícita, infelizmente. Vcs pensam que é fácil passar por esse cipoal de confusões e chegar a alguém que celebre decentemente? Bom, a Abrawicca tenta fazer o melhor que pode para suprir esse papel de dar às pessoas um primeiro contato com informações e rituais sérios, mas, e nas cidades em que não há Abrawicca ou outro grupo de pessoas sérias? Ora, ai a coisa pega e a saída é mesmo aprender e trabalhar sozinho.


Mas, claro, muitas pessoas conseguem, depois de estudos, depois de compreenderem o que é paganismo, depois de entenderem o que a wicca propõe como modo de vida e o adotam, depois de conhecerem os ritmos da natureza e os do próprio corpo, depois de estabelecerem um contato pessoal com os Deuses pagãos e os elementos, depois de aprenderem a celebrar depois de praticarem magia, gerarem poder, fazerem exercícios mil e, sobretudo depois de conseguirem fazer um auto- analise a ponto de poderem lidar com a sombra pessoal, ai sim, algumas pessoas chegam a uma espécie de encruzilhada do Caminho. Elas pensam assim:


"Ok, já sei celebrar, faço feitiços que dão resultados apreciáveis, os Deuses regem minha vida, consegui compreender alguns de meus mecanismos internos de sabotagem e aprisionamento e me livrei deles, sou uma pessoa mais madura, mais serena, mais equilibrada do que era quando comecei... Vivo os ciclos das estações, sinto a Roda do Ano agindo na minha vida...E agora? Quem me inicia?"


Bom, costumo incentivar muito as pessoas que já praticam de verdade, estão em um processo consciente de autotransformação e estão bem conectadas com os Antigos, a fazerem a auto-iniciação. SIM, realmente, eu longe de combater, INCENTIVO a auto-iniciação daqueles que não têm acesso a covens tradicionais.


E agora explicarei os motivos disso. Acho que a auto-iniciação tem um papel importantíssimo: fazer com que as pessoas assumam com os Deuses Antigos um compromisso de entregarem suas vidas a eles, de serem seus instrumentos no mundo. Para mim, isso é sacerdócio plenamente válido.


Na verdade, nesse meu trabalho público, acompanhando dezenas de pessoas ao longo dos últimos 5 anos, valorizo a auto-iniciação como um elo que mantém e desenvolve o vinculo sacerdotal, de uma maneira que a simples dedicação jamais fará.


A Deusa emite um chamado. Creio que todos nós sabemos como ele é forte, lembro bem do meu, virou minha vida de ponta cabeça...Quando começamos a compreender a voz da Deusa nos chega, vemos maravilhas... começamos a perceber a magia que sempre houve no mundo, nossa conexão e´forte e os sinais são múltiplos, a Deusa é pródiga em maravilhas . Daí buscamos e começamos a praticar... aprendemos, crescemos, fazemos nossa Dedicação e tudo vai bem... O tempo passa, uma Roda, duas Rodas...e nada de aparecer um coven na nossa vida... Ok, seguimos... Entram na terceira Roda... De repente, do nada, começam a aparecer mil sinais em que a Deusa nos pede a auto-iniciação. Sincronicidades, sonhos, meditações. A Deusa é bem explícita. Ela aperta o cerco ao Dedicado. Nessa hora, ou ele ignora tudo isso ou se auto-inicia. Não há como esperar um coven, uma Tradição. E se ele escolher não se auto-iniciar, a experiência tem me mostrado que a tendência da conexão com a Deusa diminui...É como se uma estação de rádio fosse perdendo potência... vai diminuindo até que um dia se vai. A Deusa chama, cabe a nós aceitar ou não esse chamado. Se não há a auto-iniciação quando Ela assim exige, o praticante desiste, ou melhor, Ela desiste dele.


Como digo muitas vezes, a auto iniciação não é um mal em si. Ela é utilíssima e necessária, se feita por pessoa equilibradas, realmente bem intencionadas e que querem viver o Sacerdócio dos Antigos. Ela é um horror e um grande problema quando feita por pessoas imaturas e desequilibradas, que não conhecem a vida sacerdotal, não ouvem a voz dos Deuses e são auto-iludidas.


A auto-iniciação não vai destruir a bruxaria, mas a qualidade dos auto-iniciados é diretamente proporcional ao tempo e trabalho que nós, iniciados tradicionais , estamos dispostos a empregar partilhando com uma comunidade pagã necessitada nosso conhecimento e nossos conselhos. Isso é responsabilidade de todos nós, não um inimigo a combater.


Não é denegrindo a auto-iniciação que melhoraremos a Wicca como um todo, mas sim dando com nossas vidas e atitudes, com nossas conversas, seja na internet ou ao vivo um possível standard mínimo para que os que precisam da auto-iniciação possam realizá-la o mais próximo possível dos parâmetros da iniciação tradicional.


Lembrem-se: o mundo tem sede da Deusa!.


Blessed Be :)
Mavesper Cy Ceridwen

 Disponível em; http://www.abrawicca.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=184&Itemid=257

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Uma reflexão ao repúdio à auto-iniciação

Achei esse texto no site da ABRAWICCA\RJ e como ele se alia às minhas idéias sobre auto iniciação, quis postá-lo aqui no blog ,na íntegra, para que todos que se interessam pelo assunto possam ler.Com todos os direitos reservados à autora, que muito aprecio.



Uma reflexão ao repúdio à auto-iniciação
Escrito por Mavesper Cy Ceridwen   

Como já tive oportunidade de mencionar, a auto-iniciação é um mal necessário. Logicamente seria o ideal que todas as pessoas que buscam ingressar na bruxaria encontrassem um número grande de covens, com vagas suficientes a treinar e absorver todos os interessados. Mas isso está muito longe de ser real, nossa situação concreta é de milhares e milhares de interessados em praticar wicca e quase nenhum coven pronto a orientar, com pouquíssimas vagas disponíveis.

A auto-iniciação é um conceito surgido para atender essa realidade, mas será mesmo tão sem fundamento quanto querem fazer crer as pessoas que hoje perseguem auto-iniciados e fomentam preconceito contra eles? Obviamente não.

A auto-iniciação é algo que sempre existiu na bruxaria tradicional sendo fruto do fato que temos uma religião de mistérios sim, mas passíveis de revelação e experimentação diretamente da própria Divindade. Muitas tradições de witchcraft britânicas ainda hoje se fundam em revelações, e costumes são modificados por conta de reinterpretações das práticas antigas. E isso deve mesmo ser assim, porque as religiões de mistérios são sujeitas a enriquecimento pela diversa experiência do sagrado que vivem seus membros, e essa experiência muda com o tempo e as circunstâncias. A bruxaria é uma religião viva, não é estagnada, nem engessada em uma forma única.

Lembrem-se: é fato que na bruxaria a pessoa é ela mesma diretamente ligada a Deusa e seu Consorte. Não existe na bruxaria a figura do intermediário que detém o monopólio do contato com o sagrado, como existe nas religiões patrifocais onde, por exemplo, padres, rabinos ou shakes são os únicos que detém poderes especiais de contato com o divino. Uma bruxa é sacerdotisa de si mesma e, como tal, dispensa qualquer intermediário entre si e os Deuses Antigos.

Justamente por isso é que acho perniciosa e anti-pagã a postura que, ao atacar a validade da auto-iniciação, afirma que o indivíduo pode praticar magia natural, seguir os ditames da wicca, mas ser somente pagão, e não pensar em iniciação. E essa mentalidade vem ganhando corpo entre os novatos, seduzidos por argumentos falsos de fundamentalistas que eu hoje chamo de "xiitas pagãos".

Os xiitas pagãos estão espalhando argumentos de que deve existir uma casta de privilegiados - os "verdadeiros wiccanianos" - que são iniciados em covens de tradições específicas e detém o monopólio do sagrado. Estes seriam os verdadeiros sacerdotes e sacerdotisas pagãos, devendo ser em relação aos demais simples pagãos condutores de um "rebanho", oficiando hanfastings e outros ritos, celebrando no lugar dos "primos pobres", coitadinhos destituídos de covens. Estes devem se resignar a não ter sido "escolhidos pelos deuses" para participar dessas tradições detentoras da única verdade.

Se vc acreditou nessas bobagens todas, lamento muito. Vc está sendo escandalosamente roubado de muitas coisas que significam a própria essência do que é ser bruxa ou bruxo: liberdade, orgulho, independência, relação direta com os Deuses.

Se vc é alguém que pratica a bruxaria, conhece bem seus métodos e já vivenciou por um bom tempo o modo de viver de uma bruxa, ninguém neste mundo ou nos outros planos de realidade pode impedir que vc faça um pacto de sacerdócio com os Antigos Deuses. Lembre-se: vc foi chamado um dia, vc tem o direito inalienável de responder e viver como um sacerdote ou sacerdotisa. Não deixe que pessoas preconceituosas empanem o brilho de sua escolha.

É muito óbvio para qualquer um que observe o proceder dessas pessoas qual a verdadeira motivação de seu verdadeiro ódio e campanhas contra o instituto da auto-iniciação: eles precisam se sentir superiores, especiais, diferentes, "escolhidos". Infelizmente para eles, como demonstram a legião de auto-iniciados que há pelo mundo, a Deusa não concorda com esse pretenso monopólio e espalha seus conhecimentos e sua compreensão através da bruxaria generosamente. A Deusa - pasmem os detentores da "única bruxaria" - se revela a muita gente que nunca passou perto de um coven tradicional. Basta ter olhos para ver, basta não querer utilizar vendas...

O que ocorre é que este tipo de postura vem explorando os argumentos de que há na bruxaria mistérios que só os iniciados nesta ou naquela tradição podem acessar. Na verdade em todas as tradições há um só mistério: a Deusa,seu Consorte e seus caminhos que devem ser buscados no interior de cada alma e cada coração. É muita pretensão, é reduzir demais o que sejam os Deuses acreditar que eles se enquadram somente nos ditames estreitos de um Livro das Sombras. Isso é negar a própria essência da Wicca, construída até mesmo por Gardner com textos inspirados, canalizados por Doreen Valiente e outras pessoas. Assim, na hora dessa canalização de conhecimentos diretamente da Divindade ser usada na construção do próprio Livro das Sombras de Gardner ela existe e é válida. Na hora de o mesmíssimo processo ser fonte da auto-iniciação de alguém é falso e inconsistente! Sem dúvida é de uma parcialidade ridícula tal pretensão.

Os argumentos dos xiitas parecem ser muito consistentes, especialmente porque as pessoas não compreendem como um auto-iniciado aprende as coisas necessárias a chegar a uma iniciação. Mas confundir dificuldade de adquirir conhecimento com impossibilidade disso acontecer é algo bem errado.

Auto-iniciados aprendem os Mistérios diretamente da Divindade, pois aprenderam a ouvir sua voz e se abriram a receber esses conhecimentos. Isso não é fácil e está sujeito a muitos erros, mas não é impossível, realmente acontece.

Sou, assim como muitos outros wiccanianos auto-iniciados que depois ingressaram em tradições, testemunha disso. Aprendi diretamente da Deusa e do Deus diversas práticas que depois soube serem de bruxaria tradicional. Conversem com auto-iniciados sérios, todos eles narrarão este tipo de experiência a vcs. Assim, se pergunta: se fosse impossível ter acesso a esses conhecimentos e práticas diretamente da Divindade, como nós aprendemos isso? Inventamos? Não, porque são práticas que existem... e aí? Bem, como dizem, CONTRA FATOS NÃO HÁ ARGUMENTOS.

Notem aqui que esta crítica não se refere genericamente a todos que defendem a necessidade de uma iniciação tradicional. Só me refiro aos xiitas que espumam raivosos e abundam na internet brasileira atualmente. Há membros de tradições rígidas que realmente não crêem na validade da auto-iniciação, mas não são virulentos, nem discriminadores de auto-iniciados, reconhecendo o sacerdócio de alguém pelo modo como ele vive e não por títulos e linhagens apenas. Esses tradicionalistas não merecem críticas, cada um pode crer no que desejar. Somente faço este artigo para alertar vcs contra os xiitas em si.

Mais uma observação que se faz necessária: não me refiro, obviamente, a auto-iniciados por rituazinhos de revistas, nem a pessoas que fazem um ritual vazio e crêem que se iniciaram. Falo de auto-iniciados sérios, pessoas que se entregaram a Deusa há anos e praticam bruxaria a seu modo, como seu contato com a Deusa e o Deus e seus estudos os levaram a realizar.

Um apelo a vcs: não se deixem enganar. A auto-iniciação nada tem a ver com interesses comerciais de autores pagãos, nem com poder sobre ninguém. Muito pelo contrário: ela existe para evitar que o monopólio do sagrado seja controlado e comercializado pelos que se arvoram em detentores da verdade única.

Se eu quisesse uma religião de "verdade únicas" estaria agora preocupada com o resultado do Conclave papal, e não seria uma bruxa.

Não se deixem roubar em sua dignidade e seu direito ao efetivo sacerdócio dos Antigos, seja vc iniciado em uma Tradição ou auto-iniciado sua entrega merece todo o respeito.
Bênçãos Brilhantes da Única Iniciadora de Todos Nós!
Blessed Be :)
Mavesper Cy Ceridwen

 Disponível em:http://www.abrawicca.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=186&Itemid=261

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Sabat Beltane



 

Hemisfério Norte: 1o de Maio
Hemisfério Sul: 31 de Outubro

Também conhecido como Dia 1o de Maio, Dia da Cruz, Rudemas e Walpurgisnacht, o Sabbat Beltane é derivado do antigo Festival Druida do Fogo, que celebrava a união da Deusa ao seu consorte, o Deus, sendo também um festival de fertilidade. Na Religião Antiga, a palavra "fertilidade" significa o desejo de produzir mais nas fazendas e nos campos e não a atividade erótica por si só.







Beltane celebra também o retorno do sol (ou Deus Sol), e é um dos poucos festivais pagãos que sobreviveu da época pré-cristã até hoje e, em sua maior parte, na forma original. é baseado na Floralia, um antigo festival romano dedicado a Flora, a deusa sagrada das flores. Em tempos mais antigos, esse festival era dedicado a Plutão, o senhor romano do Submundo, correspondente do deus Hades da mitologia grega. O primeiro dia de maio era também aquele em que os antigos romanos queimavam olíbano e selo-de-salomão e penduravam guirlandas de flores diante de seus altares em honra aos espíritos guardiães que olhavam e protegiam suas famílias e suas casas.


No dia de Beltane o sol está astrologicamente no signo de Tauros, o Touro, que marca a "morte" do Inverno, o "nascimento" da Primavera e o começo da estação do plantio. Beltane inicia-se, acendendo-se, segundo a tradição, as fogueiras de Beltane ao nascer da lua na véspera de 1o de Maio para iluminar o caminho para o Verão. Realiza-se o ritual do Sabbat em honra à Deusa e ao Deus, seguido da celebração da Natureza, que consiste de banquetes, antigos jogos pagãos, leitura de poesias e canto de canções sagradas. São realizadas várias oferendas aos espíritos elementais, e os membros do Coven dançam de maneira muito alegre, no sentido destrógiro, em torno do Mastro (símbolo fálico da fertilidade). Eles também entrelaçam várias fitas coloridas e brilhantes para simbolizar a união do masculino com o feminino e para celebrar o grande poder fertilizador do Deus. A alegria e o divertimento costumam estender-se até as primeiras horas da manhã, e, ao amanhecer do dia 1o, o orvalho da manhã é coletado das flores e da grama para ser usado em poções místicas de boa sorte.


Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat Beltane são frutas vermelhas (como cerejas e morangos), saladas de ervas, ponche de vinho rosado ou tinto e bolos redondos de aveia ou cevada, conhecidos como bolos de Beltane. Na época dos antigos druidas, os bolos de Beltane eram divididos em porções iguais, retirados em lotes e consumidos como parte do rito do Sabbat. Antes da cerimômia, uma porção do bolo era escurecida com carvão, e o infeliz que a retirava era chamado de "bruxo de Beltane", e tornava-se a vítima sacrificial a ser atirada na fogueira ardente.
Nas Terras Altas da Escócia, os bolos de Beltane são usados para adivinhação, sendo atirados pedaços deles na fogueira como oferenda aos espíritos e deidades protetores.




 

Corespondências de Beltane:

Incensos: olíbano, lilás e rosa.
Cores das velas: verde escuro.
Pedras preciosas sagradas: esmeralda, cornalina laranja, safira, quartzo rosa.
Ervas ritualísticas tradicionais: amêndoa, angélica, freixo, campainha, cinco-folhas, margarida, olíbano, espinheiro, hera, lilás, malmequer, barba-de-bode, prímula, rosas, raiz satyrion, aspérula e primaveras amarelas.


Ritual do Sabbat Beltane

O Sabbat Beltane dos Bruxos começa oficialmente ao nascer da lua da Véspera de 1o de Maio (ou de Novembro, no hemisfério sul), sendo tradicionalmente realizado no alto de uma montanha onde são acesas as imensas fogueiras de Beltane para iluminar o caminho para o verão e aumentar a fertilidade nos animais, nas sementes e nas casas. (Antigamente as grandes fogueiras da Irlanda, que simbolizavam o Deus Sol doador de vida, eram acesas com a centelha de uma pederneira ou pela fricção de duas varetas.)

Se você planeja festejar Beltane em ambiente fechado, deverá acender o fogo em um local apropriado. Certifique-se de colocar um galho ou ramo de sorveira sobre o fogo para reverenciar os espíritos guardiães de sua casa e sua família, trazendo boa sorte para a casa e mantendo afastados os fantasmas, duendes e fadas malévolos. Se você não tiver lugar apropriado, poderá acender 13 velas verdes-escuras para simbolizar a fogueira de Beltane.

Vista-se com cores brilhantes da Primavera (a não ser que prefira trabalhar sem roupa) e use muitas flores coloridas e de odor forte nos cabelos. Antes de vestir-se para a cerimônia, medite e banhe-se à luz de velas com ervas para limpar seu corpo e sua alma de quaisquer impurezas ou energias negativas.

Comece traçando um círculo de 3m de diâmetro e monte um altar no centro, voltado para o leste. No topo do altar, coloque duas estatuetas para representar a Deusa da Fertilidade e Seu consorte, o Deus Cornífero. Ao lado de cada uma delas, um incensório contendo olíbano e selo-de-salomão. No lado direito do altar, coloque um punhal consagrado e um cálice cheio de vinho. Acenda 13 velas verdes-escuras em torno do círculo.

Prepare uma coroa de flores do campo que florescem na Primavera, tais como margaridas, prímulas, primaveras ou malmequeres, e coloque-a no altar diante dos símbolos da Deusa e do Deus. Pode ser colocado um pequeno mastro decorado (com cerca de 1m de altura) à direita do altar, enfeitado com flores e fitas de cores brilhantes.

Ajoelhe-se diante do altar. Acenda as velas e o incenso. Feche os olhos, concentre-se na imagem divina da Deusa e do Deus, e diga: EM HONRA à DEUSA E AO DEUS CORNíFERO, E SOB A SUA PROTEçãO, INICIA-SE AGORA ESTE RITUAL DO SABBAT.

Abra os olhos. Pegue o punhal que está no altar, cumprimente com ele o leste, e diga: OH, DEUSA DE TODAS AS COISAS SELVAGENS E LIVRES, A TI EU CONSAGRO ESTE CíRCULO. Segure o punhal em saudação na direção sul e diga: ABENçOADA SEJA A VIRGEM DA PRIMAVERA, PARA ELA EU CANTO ESTA PRECE DE AMOR. ELA TORNA VERDE AS FLORESTAS E OS PRADOS, OH, DEUSA DA NATUREZA, ELA REINA SUPREMA.

Segure o seu punhal em saudação ao oeste, e diga: OLíBANO E SELO-DE-SALOMãO, GRAçAS A ELA QUE FAZ GIRAR A RODA!

Segure o punhal e saúde o norte, dizendo: ABENçOADO SEJA O SENHOR DA PRIMAVERA, PARA ELE EU CANTO A PRECE DO AMOR. DEUS DIVINO DAS TREVAS, DEUS DIVINO DA LUZ, ESTA NOITE EU CELEBRO OS SEUS PODERES FERTILIZANTES.

Coloque o punhal de volta no altar. Pegue a coroa de flores do campo e coloque-a no alto de sua cabeça. Quando esse ritual é realizado por um Coven, o costume é que o Alto Sacerdote a coloque sobre a cabeça da Alta Sacerdotiza. Ajoelhe-se diante do altar, olhando para as imagens das deidades pagãs da fertilidade. Abra os braços e diga: ESPíRITOS DA áGUA E DO AR, EU PEçO QUE OUçAM A MINHA PRECE: QUE O CéU E O MAR PERMANEçAM LIMPOS, QUE A TERRA SEJA FéRTIL E VERDE. ESPíRITOS DO FOGO, ESPíRITOS DA MãE TERRA, QUE O MUNDO SEJA ABENçOADO COM PAZ, AMOR E ALEGRIA.

Pegue o cálice de vinho e levante-o com o braço esticado, e, enquanto derrama algumas gotas no chão, como libação à Deusa e ao Deus, feche os olhos e diga: QUEIMEM OS FOGOS SAGRADOS DE BELTANE, ILUMINEM O CAMINHO PARA O RETORNO DO SOL. AS TREVAS DO INVERNO DEVEM AGORA TERMINAR, A GRANDE RODA DA VIDA GIROU NOVAMENTE. QUE ASSIM SEJA.

Beba o resto do vinho do cálice e, então, coloque-o de volta no altar. Apague as velas, mas deixe que o incenso termine de queimar. O ritual está agora completo, devendo ser seguido de um banquete, de cantos e danças na direção do movimento do sol em torno da fogueira de Beltane ou do mastro decorado para simbolizar a união divina da Deusa com o Deus.




Fonte: 'Wicca - A Feitiçaria Moderna', de Gerina Dunwich